BLOG

25/11/2015
Bruxismo na Infância

O bruxismo em crianças é mais comum do que imaginamos e pode estar relacionado a dores de cabeça e provocar grandes danos à dentição decídua (leite). Trata-se de um hábito parafuncional diurno ou noturno que inclui ranger, apertar e/ou comprimir os dentes (American Academy of Orofacial Pain 2008).

O bruxismo pode ser classificado em primário ou secundário. O bruxismo primário, por ser idiopático (sem causa definida), não está relacionado a nenhuma causa médica evidente, clínica ou psiquiátrica. Esta forma primária parece ser um distúrbio crônico persistente, com evolução a partir do seu aparecimento na infância ou adolescência para a idade adulta. Já o bruxismo secundário está associado com outros transtornos clínicos: neurológico, como na doença de Parkinson; psiquiátrico, nos casos de depressão; outros transtornos do sono, como a apnéia; e uso de drogas, como as anfetaminas; tabagismo.

Mas o que esses transtornos e até o tabagismo tem a ver com crianças?

Pois bem, foi realizada uma pesquisa na Itália em relação à exposição ao tabaco e bruxismo, este estudo avaliou 498 crianças, sendo que 154 tinham bruxismo do sono, 76% destas crianças eram expostas ao fumo. Ou seja, quanto maior a exposição, maior a prevalência de bruxismo do sono (Montaldo et al., 2012).  Crianças com transtorno do déficit de atenção e hiperatividade, tratadas com estimulantes, apresentam alta prevalência de bruxismo secundário. Em crianças com TDAH (transtorno do déficit de atenção com hiperatividade) a chance de apresentar bruxismo do sono é de 2.6 vezes.

Há outras medicações correlacionadas ao bruxismo do sono em crianças: metilfenidato (Ritalina), inibidores seletivos da recaptação da serotonina, inibidores seletivos da recaptação da serotonina e noradrenalina, antipsicóticos (Haloperidol).

 

De acordo com a situação de sua ocorrência, o bruxismo pode ser classificado em bruxismo em vigília e bruxismo do sono. Assim, o bruxismo diurno é caracterizado por uma atividade semi-voluntária da mandíbula, de apertar os dentes enquanto o indivíduo se encontra acordado, onde geralmente não ocorre o ranger de dentes, e está relacionado a um tique ou hábito. Já o bruxismo do sono é uma atividade inconsciente de ranger ou apertar os dentes, com produção de sons, enquanto o indivíduo encontra-se dormindo. O bruxismo do sono também é chamado de bruxismo noturno, mas o termo mais apropriado é bruxismo do sono, pois o ranger de dentes pode também se desenvolver durante o sono diurno.

Bruxismo do sono:

O bruxismo do sono pode começar na infância e continuar ao longo da vida do indivíduo, geralmente provoca desgaste dental, como evidenciado por facetas de desgaste que podem variar de muito grave e pode ser localizada ou encontrados em toda a dentição. Em crianças, a prevalência varia de 8,4% a 32.3%.

Outro dado muito importante, diz respeito à obstrução de vias aéreas superiores em crianças, pois esta condição aumenta a tendência ao bruxismo, crianças com obstrução nasal tem prevalência de 62,5% de bruxismo.

Foi demonstrado que há uma redução na prevalência do bruxismo após procedimentos de tonsilectomia (cirurgia de remoção das amigdalas) de 45,5 para 11,8% e adenotonsilectomia (remoção cirúrgica adenoide e amigdalas) de 25,7% para 7,1%.

Crianças com síndrome da apnéia e hipoapnéia do sono (SAHOS) também tendem a apresentar bruxismo.

O estresse também aparece associado, assim como existem indícios de sua transmissibilidade genética. Mas não podemos afirmar com segurança que a criança tem bruxismo por ser nervosa ou ansiosa, mesmo porque um estudo recente mostra o estresse mais associado com o apertar dos dentes quando o indivíduo está acordado do que com o ranger durante o sono

Alguns fatores predisponentes de bruxismo do sono na infância: dificuldades para dormir, sono leve, luz acesa e som no ambiente de dormir.

Fatores correlacionados a bruxismo do sono em crianças: enurese (micção involuntátia), sonilóquio (fala durante o sono), sonambulismo, distúrbio respiratório do sono, morfologia de tonsilas e adenoide, alergias, TDHA (transtorno do déficit de atenção com hiperatividade), ansiedade, cefaleias, ansiedade na hora de dormir, hábitos concomitantes, onicofagia (roer unhas), morder objetos.

Bruxismo em vigília:

Os fatores que estão relacionados ao bruxismo em vigília na infância são tiques nervosos, hipervigilância, imitar comportamentos dos pais, reação a situações de estresse e concentração, estudos, esportes e lazer.

A ansiedade está presente 16 vezes mais em crianças com bruxismo.

Portanto, caso percebam que seu filho range ou aperta os dentes é muito importante que seja feita uma avaliação por um cirurgião dentista especializado em DTM e Dor Orofacial para que um correto diagnóstico, além da orientação aos pais e tratamento quando indicado. Prestem atenção, pois o bruxismo pode impactar muito negativamente na vida das crianças, como a diminuição da qualidade do sono, causar problemas de comportamento e atenção, desgastes nos dentes, dentre outros.

 

 
VOLTAR